Saio de casa e estava menos frio, mas estava húmido.
A bicla rolava e parecia que a humidade fazia barulho ao tocar no quadro, nas rodas, no meu casaco.
Na curva do sol como lhe chamo, pois vira-me para nascente, o astro-rei lutava contra uma muralha de nuvens grossa. Precipito-me na descida que me leva ao cheiro inebriante do café matinal....que vício!
Passo para o lado do rio e massacra-me o bone-shaker até Belém, as razias dos enlatados que circulam a velocidades imorais, ignorantes do quão barato é o petróleo. Nos phones cantavam os smoove "revolution will be televised". Mal sabem eles que a revolução vai silenciosa e em duas rodas.
Saio da artéria principal para uma capilar. Descansam os ouvidos, mas outro sentido ressente-se: onde é que está o Tejo?
Passo pelos companheiros matinais: os pescadores, os corredores, os trabalhadores das docas. Andam a substituir placas no chão. Têm uma carrinha mesmo no meio da passagem, deve ser difícil carregar aquele material pesado. Pura coincidência, na rádio falam de stonehedge, do mistério do transporte de pedras descomunais do local de origem das mesmas a 250Km de distância. Deviam ter carrinhas há 5000 anos atrás. Se estou nas docas devia aqui estar o Tejo! Alguém viu o Tejo hoje?
Debato-me com mais paralelepípedos, faço um slalom entre os carros da polícia marítima e desafio os furos nos milhentos cacos moídos da náite. Passo duas carrinhas de limpeza da rua que parecem sujar mais que limpar enquanto outra descarrega químicos para nos livrar das ervas daninhas, essas maldosas. Adoro curas milagrosas, tipo chapa 5 - dito com ironia - e esplanadas cheias - dito sem ironia. Mas as esplanadas hoje não estão cheias. Deve ser porque não encontro o Tejo.
Rio-me dos sinais que pedem para circular com a bicla na mão e dos carros que entram e saiem do estacionamento dos meninos do rio sem pagar para contornar a medida de acalmia de tráfego da CMLx.
Gaivotas largam objectos pesados à minha volta, parecem pedras mas não, são mexilhões. Parece a National Geographic. Se há mexilhões é porque há rio, mas hoje não consigo encontrar o Tejo.
Vou ouvindo a buzina do cais do sodré, já vejo as rampas do clube naval cheios de verdete e cruzo-me com os sem-abrigo nos seus abrigos de papelão...começo a vislumbrar o Tejo. Passo pelos taxistas parados na passadeia, na ciclovia sobre o passeio, no mar de pilarentes que fazem lembrar um ouriço-cacheiro, no estacionamento da TT onde devia estar um interface de TPs......ah finalmente vejo o Tejo.

Commuting matinal em números II

Depois do commuting matinal "expresso" (para dias particularmente chuvosos) temos o commuting matinal "normal" (podia dar nomes finos, tipo cafés do starbucks, mas xatar).

8h05m - sair de casa com o Gugas na Xtra
8h10m - deixar o Gugas na escola
8h16m - atravessar a estação da CP de Algés para o lado do rio
8h37m - 8 kms depois estou a chegar ao Cais do Sodré
8h40m - apanho o barco à pele
8h57m - chego ao cais do Seixal (leio mais umas páginas de literatura de viagem de bicla ;o)
9h05m - chego ao edifício
9h10m - estou sentado na secretária.

1h05m de viagem
45 min de bicla
17 min transportes
alguns no transbordo
0 torniquetes, 0 seguranças

;o)

Continuo a sonhar com os meus dragões...

...a sonhar ACORDADO com "outro mundo".



calavera no llora
serenata de amor
calavera no llora
no tiene corazon
calavera no llora
serenata de amor
soñe otro mundo tan lejos y tan cerca
soñe otro viaje cuatro caminos cinco destinos
soñe la risa soñe la ilusion
soñe otro mundo
soñe menos joda
soñe una mañana que
al fin se podia
soñe de un amor de noche y de dia
soñe la fortuna soñe la alegria
soñe de la luna que no se rendia
y que a mi gato le decia
calavera no llora
serenata de amor
calavera no llora
no tieñe corazon
soñe sin guerra
soñe sin temores
soñe sin vallas
soñe sin palizas
soñe una faena que nunca se acaba
soñe una verbena que siempre otra vez
calavera no llora
serenata de amor
calavera no llora
no tiene corazon
soñe al trabajar
soñe hasta enfermar
tan lejos y tan cerca
pacifico soñe tus olas
tan lejos y tan cerca
siempre toca llegar
calavera no llora
serenata de amor
siempre toca llegar
soñe una cancion que ningun cabron haya escrito ya
soñe un callejon grito libertad
soñe una salida que no suena a huida
soñe que tu coche detiene la noche
soñe tu aliento
soñe la pradera
soñe hasta gritar
calavera no llora
serenata de amor
calavera no llora
soñe otro mundo
soñe conseguirlo
lo consegui soñando
soñe al despertar
calavera no llora
tan lejos y tan cerca
calavera no llora
tan lejos y tan cerca
siempre toca llegar
calavera no llora
serenata de amor
siempre toca llegar
calavera no llora

inteligência

Temos muitas noções distorcidas da realidade e uma delas é acerca da inteligência. Nós pensamos que a inteligência está no indivíduo, mas ela é um fluxo de energia deste para o mundo e vice-versa! Muda completamente a prespectiva da coisa! Aprendamos com quem tem sabedoria:

Democracia: a ditadura das minorias




We Are The Many

Ye come here, gather 'round the stage
The time has come for us to voice our rage
Against the ones who've trapped us in a cage
To steal from us the value of our wage

From underneath the vestiture of law
The lobbyists at Washington do gnaw
At liberty, the bureaucrats guffaw
And until they are purged, we won't withdraw

We'll occupy the streets
We'll occupy the courts
We'll occupy the offices of you
Till you do
The bidding of the many, not the few

Our nation was built upon the right
Of every person to improve their plight
But laws of this Republic they rewrite
And now a few own everything in sight

They own it free of liability
They own, but they are not like you and me
Their influence dictates legality
And until they are stopped we are not free

We'll occupy the streets
We'll occupy the courts
We'll occupy the offices of you
Till you do
The bidding of the many, not the few

You enforce your monopolies with guns
While sacrificing our daughters and sons
But certain things belong to everyone
Your thievery has left the people none

So take heed of our notice to redress
We have little to lose, we must confess
Your empty words do leave us unimpressed
A growing number join us in protest

We occupy the streets
We occupy the courts
We occupy the offices of you
Till you do
The bidding of the many, not the few

You can't divide us into sides
And from our gaze, you cannot hide
Denial serves to amplify
And our allegiance you can't buy

Our government is not for sale
The banks do not deserve a bail
We will not reward those who fail
We will not move till we prevail

We'll occupy the streets
We'll occupy the courts
We'll occupy the offices of you
Till you do
The bidding of the many, not the few

We'll occupy the streets
We'll occupy the courts
We'll occupy the offices of you
Till you do
The bidding of the many, not the few

We are the many
You are the few

Maceração

Pisa os meus versos, Musa insatisfeita!
Nenhum deles te merece.
São frutos acres que não apetece
Comer.
Falta-lhes génio, o sol que amadurece
O que sabe nascer.
Cospe de tédio e nojo
Em cada imagem que te desfigura.
Nega esta rima impura
Que responde de ouvido.
Denuncia estas sílabas contadas,
Vestígios digitais do evadido
Que deixa atrás de si as impressões marcadas.
E corta-me de vez as asas que me deste.
Mandaste-me voar;
E eu tinha um corpo inteiro a recusar
Esse ímpeto celeste.

A aranha e a estrela do mar

Um livro muito bom que explora as diferenças entre organizações com e sem lideranças hierarquicas.
É uma àrea que estou a aprender a gostar....um dragão que estou aos poucos a deixar de alimentar e começar a dançar!

A aranha representa a organização hierarquica à qual estamos habituados, com um sistema nervoso central do qual o resto depende. Cortas a cabeça à aranha todo o corpo morre. Já a estrela do mar é composta por vários orgãos que têm autonomia entre si. Cooperam para viver como um todo, mas se cortares uma das patas ela sobrevive, e até nasce outro ser da pata cortada. É um organismo extremamente resiliente.

Estes sistemas encontram-se em aldeias comunitárias, células anarcas e em algumas organizações grass-roots!

Na sociedade ocidental, todos duvidam que este sistema funcione, mas na verdade é pq assentamos em premissas win-loose. Em tudo o que mexemos tem de haver um vencedor e um perdedor! Uma organização estrela do mar tem bastante fé nos chamados catalizadores: Pessoas que tendem a ter competências relacionadas com a cooperação muito desenvolvidas e que normalmente facilitam movimentos comunitários.
Estas pessoas costumam partilhar, entre outras, algumas destas ferramentas:
1.Interesse genuíno nos outros;
2.Variadas ligações soltas, em vez de um pequeno número de ligações fechadas;
3.Competências no mapeamento social;
4.Desejo em ajudar quem conhecem;
5.Habilidade em ajudar as pessoas a ajudar-se a si próprias, ouvindo e compreendendo em vez de dar conselhos. (conhecer as pessoas onde elas estão) ;
6.Inteligência emocional;
7.Confiança nos outros e em redes descentralizadas;
8. Inspiracionais (para outros).
9.Tolerância para a ambiguidade.
10. Aproximação hands-off. Catalizadores não interferem com, ou tentam controlar o comportamento dos membros contributores de uma organização descentralizada.
11.Habilidade em deixar rolar. Depois de construir uma organização descentralizada, os catalizadores continuam para outra em vez de tentar controlar.

Para que estas organizações funcionem existem 10 regras:

1. Deseconomias de escala - pequenas empresas têm mais poder;
2. Efeito de rede - casa pessoa que apareça torna a organização mais forte;
3. O poder do caos;
4. O conhecimento está na margem - Informação sobre a organização é aberta para toda a gente;
5. Toda a gente quer contribuir - colaboradores auto motivados;
6. Ter cuidado com a "hydra response";
7. Catalizadores são COOLS;
8. Os "valores" são o coração de cada organização ou rede;
9. Medir, monitorizar e gerir;
10. Horizontaliza, ou serás horizontalizado!

...a continuar...

Passeio familiar

Passeio já costumeiro por Linda-a-Velha...toda a família a rolar!

Commute matinal "expresso" em números

Este é o commute "Expresso". É o mais rápido e com menos esforço/molha, mas com mais tempo sem pedalar e com mais obstáculos (torniquetes). Útil de Inverno: 7:40 - Saio de casa, pedalar até Algés (2 Kms a descer) 7:47 - chego à entrada da estação. Foi uma pedalada limpa, apanhei onda verde nos semáforos. 7:50 - Apanho o comboio semi-rápido. Tive de passar torniquetes, o segurança já me esperava, mas perdi o comboio pára em todas. 8:02 - Este não pára em Santos, tenho que ir até ao cais do sodré onde me esperam mais um pesadelo em torniquetes. 8:07 - Torniquetes da estação fluvial 8:10 - A embarcar no barco. 8:27 - A atracar no Seixal. Toca a pedalar até à Arrentela. 8:36 - A estacionar a bicicleta 3 Kms depois. 8:39 - Piquei e estou sentado na secretária. 1 hora certinha de percurso 15 minutos a pedalar cerca de 5 Kms 29 minutos de transportes públicos 13 minutos a andar com a bicla na mão 3 minutos a pé

lançar mais dinheiro para cima da ineficiência

Aconselho a leitura da entrevista do Expresso ao Prof. Nunes da Silva, vereador da CML (e meu orientador de ERASMUS).

http://aeiou.expresso.pt/subiram-os-precos-sem-melhorar-o-servico=f665069

Sempre ouvi dizer que sem conhecer não se pode gerir. E é impressionante como em Portugal se gere sem conhecer a realidade. No caso dos TCs, o diagnóstico para a falta de clientela resume-se sempre a €€€. Como diz o prof. nesta entrevista, "Quem é pessoa que deixa o conforto do seu carro, dos itinerários que conhece perfeitamente, dos custos que controla, para se meter numa coisa que desconhece e que lhe dizem que vai aumentar 15%?"

O conforto, a simplificação do sistema de bilhetes, das carreiras, das informações, pode fazer mais pelo aumento de utilizadores dos TCs do que o preço dos bilhetes! Isso e a "complicação" dos sistemas concorrentes...

19J

A "tomada" das praças e ruas espanholas do passado dia 19 de Junho, conhecido por 19J, para se manifestar por uma democracia verdadeira, foi uma mostra de criatividade do povo através das frases e imagens estampadas nos cartazes feitos por muitos anónimos





La creatividad del pueblo from eikon bokeh on Vimeo.


Mais fotos aqui

Espiritualidade dos índios americanos

Mais um para o fim-de-semana: um documentário sobre a espiritualidade dos índios nativos americanos!


Bajarse del mundo

Bajarse del mundo é um documentário que fala de pessoas que deixaram para trás o estilo de vida urbano e decidem repovoar o interior e as aldeias abandonadas, renunciar ao business as usual e decidem adoptar um modo de vida alternativo.




Bajarse del mundo from SolRak50 on Vimeo.

Os lobos e a sapiência


Um tributo ao meu totem, o Lobo e à sapiência daqueles que têm mais experiência de vida. Uma história de um povo da nação Tsalagui ou Cherokee que vê o lobo com figura sagrada de protecção.


Existe uma antiga história dos índios Cherokee sobre o cacique de uma grande aldeia. Um dia, o cacique decidiu que era hora de orientar o seu neto favorito sobre a vida. Ele o levou para o meio da floresta, fez com que se sentasse sob uma velha árvore e explicou:

"Filho, existe uma batalha sendo travada dentro da mente e do coração de todo ser humano que vive hoje. Embora eu seja um velho e sábio cacique, o líder da nossa tribo, essa mesma batalha é travada dentro de mim. Se você não souber dessa batalha, ela o fará perder o juízo. Você nunca saberá que direção tomar. Às vezes vencerá na vida e, depois, sem entender o porquê, perceberá que está perdido, confuso, com medo, arriscado a perder tudo o que trabalhou tanto para ganhar. Você muitas vezes achará que está fazendo a coisa certa e depois descobrirá que fez as escolhas erradas.

Se você não entender as forças do bem e do mal, a vida individual e a vida coletiva, o verdadeiro eu e o falso eu, você viverá a vida todo num grande tumulto”.

"É como se existissem dois grandes lobos vivendo dentro de mim; um é branco e o outro é preto. O lobo branco é bom, gentil e não faz mal a ninguém. Ele vive em harmonia com tudo à sua volta e não se ofende se a intenção não era ofender. O lobo bom, sensato e certo de quem ele é e do que é capaz, briga apenas quando essa é a coisa certa a fazer e quando precisa se proteger ou à sua família, e mesmo então ele faz isso da maneira certa. Ele toma conta de todos os outros lobos da matilha e nunca se desvia da sua natureza”




."Mas existe o lobo preto também, que vive dentro de mim, e esse lobo é bem diferente. Ele é ruidoso, zangado, descontente, ciumento e medroso. Basta uma coisinha para que ele se encha de fúria. Ele briga com todo mundo, o tempo todo, sem nenhuma razão. Ele não consegue pensar com clareza, porque a sua ganância para ter sempre mais e a sua raiva e a sua ira são grandes demais. Mas trata-se de uma raiva infrutífera, filho, porque ela não muda nada. Esse lobo só procura confusão aonde quer que vá, e por isso sempre acaba achando. Ele não confia em ninguém, por isso não tem amigos de verdade”.


O velho cacique ficou sentado em silêncio durante alguns minutos, deixando que a história dos dois lobos penetrasse na mente do jovem neto. Então ele lentamente se curvou, olhou fixamente nos olhos do menino e confessou, "Às vezes, é difícil viver com esses dois lobos dentro de mim, pois eles brigam muito para dominar o meu espírito".



Cativado pela história do ancião sobre essa grande batalha interior, o menino puxou a tanga do avô e perguntou, ansioso, "Qual dos dois lobos vence, vovô?" E com um sorriso cheio de sabedoria e uma voz firme e forte, o cacique diz, "Os dois, filho. Veja, se eu escolho alimentar só o lobo branco, o preto ficará à espreita, esperando o momento em que eu sair do equilíbrio ou ficar ocupado demais para prestar atenção às minhas responsabilidades, e então atacará o lobo branco e causará muitos problemas para mim e nossa tribo. Ele viverá sempre com raiva e brigará para atrair a atenção pela qual tanto anseia. Mas, se eu prestar um pouquinho de atenção no lobo preto, compreendendo a sua natureza, se reconhecê-lo como a força poderosa que ele é e deixá-lo saber que eu o respeito pelo seu caráter e o usarei para me ajudar se um dia eu ou a tribo estivermos em apuros, ele ficará feliz, e o lobo branco ficará feliz também, e ambos vencerão. Todos venceremos".

Sem entender direito, o menino perguntou, "Não entendi, vovô. Como os dois lobos podem ganhar?"
O cacique continuou a explicação: "Veja, filho, o lobo preto tem muitas qualidades importantes de que eu posso precisar, dependendo das circunstâncias. Ele é feroz, determinado, e não se deixará subjugar nem por um segundo. Ele é inteligente, astuto e capaz dos pensamentos e estratégias mais tortuosos, o que é importante em tempos de guerra. Ele tem os sentidos aguçados e superiores que só aqueles que olham através da escuridão podem apreciar. Em meio a um ataque, ele poderia ser o nosso maior aliado".


O cacique então tirou da sua bolsa alguns pedaços de carne defumada e colocou-os no chão, um à direita e o outro à esquerda. Ele apontou para a carne e disse, "À minha esquerda está a comida para o lobo branco e à minha direita está a comida para o lobo preto. Se eu optar por alimentar os dois, eles não brigarão mais pela minha atenção, e eu poderei utilizar cada um deles como precisar. E como não haverá guerra entre eles, poderei ouvir a voz da minha sabedoria profunda e escolher qual dos dois pode me ajudar melhor em cada circunstância. Se a sua avó quer uma carne para fazer uma refeição especial e eu não cuidei disso como deve-ria, posso pedir para o lobo branco me emprestar a sua magia e consolar o lobo preto da sua avó, que estará zangada e faminta. O lobo branco sempre sabe o que dizer e me ajudará a ser mais sensível às necessidades dela”.



“Veja, filho, se você compreender que existem duas grandes forças dentro de você e respeitar a ambas igualmente, as duas sairão ganhando e haverá paz. A paz, meu filho, é a missão dos Cherokee — o propósito supremo da vida. Um homem que tem paz dentro de si tem tudo. Um homem dividido pela guerra em seu íntimo não tem nada. Você é um jovem que precisa escolher como vai lidar com as forças opostas que vivem no seu interior. A sua decisão determinará a qualidade do resto da sua vida. E quando um dos lobos precisar de atenção especial, o que acontecerá às vezes, você não terá do que se envergonhar; poderá simplesmente admitir isso para os anciãos e conseguirá a ajuda de que precisa. Quando isso for de conhecimento público, aqueles que já travaram essa mesma batalha podem oferecer-lhe a sua sabedoria".



Essa história simples e pungente explica como é a experiência humana. Cada um de nós está em meio a uma batalha contínua, em que as forças da luz e da escuridão competem pela nossa atenção e pela nossa submissão. Tanto a luz quanto a escuridão habitam dentro de nós ao mesmo tempo.
Verdade seja dita: existe uma matilha inteira de lobos dentro de nós - o lobo amoroso, o lobo bondoso, o lobo esperto, o lobo sensível, o lobo forte, o lobo altruísta, o lobo generoso e o lobo criativo. Junto com esses aspectos positivos existem o lobo insatisfeito, o lobo ingrato, o lobo autoritário, o lobo desagradável, o lobo egoísta, o lobo indecente, o lobo mentiroso e o lobo destrutivo. Todo dia temos a oportunidade de reconhecer todos esses lobos, todas essas partes de nós mesmos, e escolher como iremos nos relacionar com cada um deles. Será que continuaremos condenando alguns e fingindo que eles não existem ou vamos tomar posse de toda a matilha?
Por que sentimos a necessidade de negar a matilha de lobos que vive em nós? A resposta é fácil. Ou achamos que ela não existe ou que não deveria existir. Tememos que, se admitirmos todos os diferentes “eus” que ocupam espaço na .nossa psique, de algum modo seremos rotulados de esquisitos, diferentes, prejudiciais ou psicologicamente fragmentados. Achamos que devemos ser pessoas boas e "normais", dentro das quais só mora um único eu. Mas existem muitos eus e a recusa em entrar em acordo com eles é um grave erro - que nos levará a cometer atos estúpidos e temerários de auto sabotagem. Eis o grande segredo: existem muitos eus contidos dentro do nosso "eu", pois dentro de cada um de nós existem todas as qualidades possíveis. Não há nada que possamos ver e nada que possamos julgar que não exista dentro de nós. Todos somos luz e escuridão, santos e pecadores, pessoas adoráveis e abomináveis. Somos todos gentis e calorosos, mas também frios e cruéis.



Dentro de você e dentro de mim existem todas as qualidades e defeitos conhecidos pela espécie humana. Embora possamos não estar conscientes de todas as qualidades que possuímos, elas estão adormecidas dentro e nós e podem despertar a qualquer momento, em qualquer lugar. A compreensão disso nos permite entender por que todos nós, que somos "bons", somos também capazes de fazer coisas ruins e, mais importante, por que às vezes nos tornamos os nossos piores inimigos.


Baseado no livro “Como entender o efeito sombra em sua vida” de Debbie Ford.

Para quem só vê TV

Há por aí muita gente a andar de bicla....





porn

Recumbents and Velomobiles are my new bike-porn!

Fim de semana em cheio

Sábado de manhã na horta mandála-pás-couves da oficina comunitária da ITLaV






Sábado à tarde nas "rodas de mudança" da Mubi










À noite foi festa das promessas no 626.





Domingo no Jardim dos amigos...














DEPAVE NOW!


Depaving Day! from Streetfilms on Vimeo.

Conversas no TP

Hoje nos Transporte Públicos:

-Olá...tu aqui?
-Sim, nem imaginas, ontem bati com o carro e parti-o todo.
-Xiii, e tu estás bem?
-Sim, umas mazelas, mas fiquei foi sem o carro!
-Está muito mau?
-Sucata.
-Como fizeste isso?
-Ia ao telemóvel, não reparei num STOP!
-E safaste-te hoje para chegar aqui?
-AH, sim, de minha casa até ao barco há uma linha de metro directa..é porta a porta.
-Então não é assim muito mau!
-Tás parva? é caríssimo! 1,70€!
-Mas com passe fica mais em conta.
-Pois é, tu andas de TPs. Quanto gastas?
-23€, mas o do metro.
-BOLAS. Eu só gasto 120€ em gasolina e pouco mais de 20€ em portagens.
-Mas isso era antes desta subida do preço dos combustíveis.
-Não. Antes era menos. Ponho 2 depósitos por mês.
-Mas agora tens de comprar carro.
-POIS É! Posso escolher aquele FIAT500 muita bonito!
-Mas é caro.
-Pago menos de 500€ com um crédito. E depois quando chegas ao outro lado, vais de camioneta?
-Não, vou a pé!
-Bolas. Nem pensar. E chegamos às 9h00?
-Não, chego sempre às 9h05m.
-E na vinda?
-Como venho a pé só apanho o das 17h45m
-Isso é impossível para mim.
-Então?
-À tarde vou ao ginásio a essa hora!


IMPRESSIONANTE, como se pode juntar tanta treta num diálogo!

Obras na estação da CP de Algés

A estação e comboios suburbanos de Algés está em Obras. O cenário do dia de ontem eram tapumes no túnel e muito barulho. Hoje já tiraram os tapumes e ficaram umas placas metálicas no chão e muitos caixotes espalhados pelo dito túnel.
O que será?

- Será que vão melhorar a acessibilidade ao cais? Em vez das rampas com alto desnível que dificulta a vida a cidadãos com mobilidade reduzida (podia ser pior e serem escadarias é verdade), vão colocar uns elevadores?
Não

- Será que vão melhorar o conforto dos passageiros, pois apanham chuva ou sol e frio nos acessos e no cais propriamente dito enquanto esperam o comboio?
Não

- Será que vão melhorar a zona de estacionamento de bicicletas ou a zona de compra de bilhetes/passes para evitar os conflitos quando há enchentes de gente?
Não

- Será que vão ampliar e melhorar a àrea comercial?
Não

Não...parece mesmo que vão instalar os torniquetes do diabo! Vai ser bonito gerir toda a enxurrada de gente a fugir da chuva pois entre o cais e o túnel não existe telhado. Mais um obstáculo ao acesso a pessoas e bicicletas. A bem da "fuga ao pagamento"...eta gado mais mafioso!

As segundas são tramadas...

Mental note:

- O passe não abre a cancela do estacionamento do trabalho nem o cartão de funcionário abre os torniquetes dos transportes públicos!

ah...e não trazer o telefone da Cristina comigo...lá porque é parecido com o meu!

Katchafire


Um pequeno tributo a estes mestres Neozelandeses que fazem, obrigatoriamente, parte da minha all-time favourite playlist: os KATCHAFIRE.



Uma das músicas que me acompanha diariamente no mp3:


Say what You're Thinking
Katchafire


Go hard..
Say What you are thinking.
Slow and ..
You'll get no respect if you can't
Say what you feel, be sure
Feel your execution perfect
Go hard
Say What you are thinking
Slow and
You'll get no respect if you can't
Say what you feel, be sure

Feel your execution perfectly

And I trust you will
Definitely
Mmmmm..Uncensoridly
When you get the trill
Take it and scream
People fear me knocking, yeah

To think that no one else is ever to feel it in
The way you can look up is no sin
No one can think about you negatively ... Hoawwwww Negatively

Go hard
Say What you are thinking
Slow and
You'll get no respect if you can't
Say what you feel, be sure
Feel your execution perfect
Go hard
Say What you are thinking
Slow and
You'll get no respect if you can't
Say what you feel, be sure

Feel your execution perfectly

Make them listen till
They can all see
Their hypocrisy
When they realize
They can all see.
People fear me knocking

To think that no one else is ever to feel it in
The way you can look up is no sin
No one can think about you negatively ... Howwww Negatively

To think that no one else is ever to feel it in
The way you can look up is no sin
No one can think about you negatively ... Howwwwww..Negatively
Mmmmmm... Negatively.

No iutúbi

A Transição na Aldeia das Amoreiras

Ninjas

Ontem matámo-nos a rir.


Com o Ninja das Caldas:


E o "Minjas na Fralda"


AHAHAHHAHA

Que parvo que eu sou!

Confesso que nunca percebi o alarido à volta da música dos Deolinda, a suposta "música de intervenção" da nova geração, a "Que parva que eu sou".

Em vez de música de intervenção parece-me uma música fatalista, que reporta o sentimento de reclamação inata de toda a gente hoje em dia. Estudei e agora onde está o meu emprego?? Há muito desemprego, não consigo ganhar dinheiro, adio tudo menos o pópó, que como é ESSENCIAL está a ser pago às prestações (a média europeia de jovens com menos de 30 anos com carro novo é de 11%, em Portugal atinge os 20%).

A vida não é fácil, há muita coisa mal feita e muita injustiça, mas há que ser pro-activo, ir construindo o seu futuro em vez de ficar à espera e ir reagindo!

Os homens da luta pegaram e bem nesta música e fizeram o "Que esperto que eu sou"

Transcrevo um comentário desta notícia do Expresso assinado por Miguel.c.g:

"reflexo, de um reflexo, de um reflexo...
e de quem ? De quem é que a música dos Deolinda era afinal um hino ?
A democratização do ensino foi umas das grandes vitórias da nossa jovem democracia.
Os Homens da Luta, ao longo de um trabalho inteligente e comprometido, têm gritado pelo menos óbvio. Neste caso, uma geração que ainda não percebeu a herança que recebeu: A oportunidade de definir o seu próprio caminho. Estudar é um investimento na formação de cada um que envolve responsabilidade política e civil. Devia ter uma maior correlação com oportunidades profissionais e com um envolvimento civil. Mas estudar é principalmente uma forma de responsabilizar o indivíduo, de o tornar mais livre e com maior capacidade de se espantar e de intervir no mundo. É um direito que foi conquistado mas é também um privilegio. Não é, nem pode ser uma forma de receber direitos adquiridos. Quanto a ser-se ou não escravo, é tão escravo aquele que precisa de quem o sirva, como aquele que sempre espera que o salvem. Entre a comiseração dos Deolinda e a sátira dos Homens da Luta, os segundo parecem-me a mim, que também faço parto da geração de que ambos falam, bem mais produtivos. Não precisamos de ter carro, casa própria com tv cabo e muito menos adiar casamentos, que se o amor não chega, como dizem os Xutos, aí é que estamos lixados porque aí assim, temos o mundo ao contrário.
Obrigado Vasco, obrigado Jel.
"

8 razões para transportar os miúdos de bicicleta no dia-a-dia

Andar de bicicletas para muitos já é assustador ou quase impossível para muitos, com miúdos então é a gota de água! Não consigo, não dá, que medo, etc., etc.,etc. (a TVI ajuda no resto ;o)

Mas a Techoearthmama uma mãe web 2.0 que anda de bicla para todo o lado, dá-nos 8 razões para o fazer, as quais eu subscrevo e por isso traduzo-as aqui:

É divertido!
O fun-factor é determinante! Por vezes chove ou está muito ventoso e frio e não dá vontade de sair de casa de bicla, mas o segredo é aceitar e fazer as pazes com o mau-tempo.
A technomamma conta que cantam músicas sobre a chuva “If all the raindrops were lemon drops and gumdrops, oh what a rain that would be!”. O Gugas adora beber água da chuva!
Já quando está sol vamos absorvendo a vitamina D para fixar o cálcio...e as cantarias não acabam. A nanny (Mariana) vai aos berros "O Manel tinha uma bola..."
Poupa dinheiro!
Uma família pode poupar um segundo carro com todas as despesas associadas. (crédito, seguro, gasolina, manutenção). As despesas com a bicla e a sua manutenção são valores marginais comparados com os de um carro. E com uma oficina comunitária perto de si até se transforma numa festa!

Reduz a dependência do petróleo.
O que é o mesmo que dizer que aumenta a resiliência.

Reduz a poluição sonora e do ar
Não é preciso dizer nada pois não? O Gustavo diz que o que menos gosta no andar de bicicleta é o barulho dos carros.

“First dibs on free boxes!”
Esta é muito anglo-saxónica. Por aqui temos jornais gratuitos, mas distribuem-nos aos condutores, mas é nos acessos aos TPs que eles são mais difundidos. Assim como algumas promoções como pastilhas, bolachas, chás, sacos de pano, etc.
Mas acrescento que permite conversar e acenar a quem vai no passeio com muito mais facilidade e qualidade ;o)

Dá um excelente exemplo aos teus filhos
Pensas que os meios de transporte suaves são uma boa ideia? que juntam todos os benefícios atrás retratados? Então que melhor maneira para passar esses valores para o teu filho do que pelo exemplo?
Até porque muitos - a geração banco de trás - nem fazem ideia de que isso é possível! Nunca o fizeram!

Encoraja outros a fazer o mesmo.
O comportamento gera comportamento. Isto é verdade, muita gente foi-se juntando à medida que me vêm a fazê-lo. O que nos leva ao próximo ponto:

Torna a estrada mais segura para todos.
O local mais perigoso da minha jornada é perto da escola do meu filho. Se toda a gente acha que é perigoso andar de bicicleta na estrada que tal não contribuir para que isso aconteça? Nas Massas críticas por Lisboa chegam a circular crianças de 10 anos na rotunda do Marquês Pombal em plena hora de ponta....perigoso? não no meio de tanto ciclista!
SIGA!
Em Linda-a-Velha vamos organizar uma kidical mass com frequência mensal ao mesmo tempo que uma cicloficina. Não percam a oportunidade de tentar e aprender a fazê-lo. Assim como a oportunidade de tirar dúvidas, perguntar a quem já o faz, qual a melhor maneira de o fazer!!!

Para tirar dúvidas na net

Linda-a-Velha em Transição




Má sorte
Eu que sou profissional
Nunca saio antes das 5
Eu que só digo o que sinto
Nas mesas dos meus cafés

Eu que faço aquilo que posso
Que nem sequer vou votar
Que mal digo tudo e todos
Sempre que posso falar

Eu que sei aquilo que digo
Sem nunca ter perguntado
Eu que levo o que encontro
Achado, perdido ou roubado

Eu que me esforço tão pouco
Para ver se não me canso
Eu que com musica paro
E que com barulho danço

Eu que ponho o lombo a jeito
Para levar umas festinhas
Troquei por microondas
As queixas que são as minhas

Eu que não quero ganhar
Mas também não sei perder
Eu que culpo sem desculpa
Quem me merece vencer

Eu que vejo televisão
Eu que quero ser feliz
Eu que para ter o que quero
Hipoteco o meu país

Eu que minto a toda a gente
Para me sentar na cadeira
Que digo “sou competente!”
Com requintes de rameira

Eu que vendo aquilo que posso
E que compro a quem vender
Que nunca quero em conjunto
Quero-me só no poder

Eu que maldigo esta terra
Sem pudor, nem privação
Eu que me rio das cores
De toda e qualquer nação

Eu que não gosto de mim
Porque não sei quem eu sou
Eu que para ter o que quero
Até às bestas me dou

Quem tem culpa são os outros
Quem tem culpa é Portugal
Quem tem culpa não sou eu
Que se mude quem está mal!







Se te revês nesta letra e queres mudar ou então se não te revês e queres estar entre quem tem energia e a utiliza para fazer um futuro melhor junta-te à iniciativa Linda-a-Velha em Transição


Porque a Inércia é uma arma de destruição maciça, mexe-te. Como a Linda Velha







Do Faial os Bandarra

Cool

Muito cool...


Portugal na década de 1960 (TWA) from Gonçalo Ramos Ferreira on Vimeo.

Idiotorial?

Transcrevo parte do editorial da revista Sábado de 13 de Janeiro de 2011 (o bold é meu):

"O presidente da Câmara Municipal de Lisboa continua a sua guerra santa contra os carros na cidade. Agora, decidiu apertar as regras sobre o estacionamento nas principais artérias de Lisboa, onde exitem comércio e serviços. Isso é feito de três formas. A primeira, claro, é um aumento de preço das tarifas, que sobem 5%. A segunda é uma maior fiscalização por parte da EMEL - não para impedir a acção dos "arrumadores", que cobram dinheiro por serviços inexistentes, num negócio paralelo e ilegal promovido pelas acções da própria Câmara, mas para multar os automobilistas. A terceira é a diminuição do tempo de estacionamento permitido, que passa a ser de apenas duas horas.
Na cabeça de António Costa, esta é uma forma de combater os terríveis malandros que vão de carro para o emprego em vez de usarem os maravilhosos, confortáveis e seguros transportes públicos que todas as pessoas que trabalham em Lisboa têm ao dispor. Esquece, porém, aqueles que pretendam, simplesmente, almoçar durante mais de duas horas num restaurante da cidade. Ou aqueles que tenham uma consulta médica nessas zonas da cidade. Quer dizer, na realidade, o presidente da Câmara não se esquece deles. Simplesmente, acha que tornar as suas vidas mais fáceis é bem menos importante do que sentir que está a salvar o planeta."
Até me custa comentar. Em pleno 2011, um editor de uma revista europeia a escrever isto.
- Aparentemente compara a limitação da circulação de automóveis numa cidade a uma guerra santa. As cruzadas passaram da terra santa para as capitais europeias.
- A EMEL existe para fiscalizar "arrumadores" não para fiscalizar estacionamentos ilícitos.
- Aparentemente conhece os nossos transportes públicos (ou não).
- Defende que não pagar estacionamento enquanto se almoça durante mais de duas horas é um direito.
- Ainda pensa que a limitação de entrada de automóveis numa cidade é por questões ecológicas... :os
- E pior: que o conforto é mais importante que o planeta!
enfim...

Bicla útil em Linda-a-Velha

Uma bicla com estilo e com utilidade em Linda-a-Velha:


Uma Electra com o kit CSR para levar uma prancha de bodyboard!!


Cool!


Só mudamos quando levarmos a crise a sério!

""Acontece que me apaixonei por um carro...". Cristina Tavares, professora de geografia de 54 anos, comprou um Fiat 500 em Junho de 2010 e confessa que a decisão de trocar o seu velho Hyundai Atos de 11 anos por um descapotável novinho em folha não foi um acto racional, nem teve motivações económicas.

Apesar de tudo, a professora admite que, durante os próximos anos, "todos vamos empobrecer". Por isso, o melhor foi avançar desde logo para o investimento neste automóvel de 20 mil euros.

Cristina Tavares foi um dos portugueses que, em 2010, ajudaram o mercado automóvel a ter as melhores vendas de ligeiros de passageiros desde 2002, com um total de 228.574 carros comercializados. Portugal terá registado também uma das subidas mais elevadas da Europa a 15. Os últimos dados disponíveis indicam que ficou em segundo lugar dessa tabela entre Janeiro e Novembro, apenas ultrapassado pela Irlanda (ver infografia).

Estes são números surpreendentes num ano que ficou marcado por três Programas de Estabilidade e Crescimento (PEC) e pela discussão de um Orçamento do Estado para 2011 ainda mais austero. Será o aumento das vendas automóveis uma simples antecipação de compras, devido ao fim dos incentivos ao abate e do aumento do IVA este ano? Ou é um sinal de que a economia não vai assim tão mal, pelo menos na cabeça dos portugueses?
"

A pobreza de espírito é enorme e é uma professora. Podem ler o resto da notícia aqui, que acaba assim:

"Os fabricantes acreditam que ainda haverá portugueses como Cristina Tavares, a correr aos stands por um acto de paixão."

Sonhos

Ultimamente tenho dormido mal, ando com uma actividade cerebral nocturna extremamente elevada (sonhos entenda-se) pois acordo sempre cansado. Raramente me lembro dos sonhos que tenho, mas ultimamente até sei o que o meu cérebro anda a "vasculhar" durante a noite.

Hoje devo ter tido um "siamese dream" pois acordei ao som disto:





Today is the greatest
Day I've ever known
Can't live for tomorrow,
Tomorrow's much too long
I'll burn my eyes out
Before I get out

I wanted more
Than life could ever grant me
Bored by the chore
Of saving face

Today is the greatest
Day I've never known
Can't wait for tomorrow
I might not have that long
I'll tear my heart out
Before I get out

Pink ribbon scars
That never forget
I tried so hard
To cleanse these regrets
My angel wings
Were bruised and restrained
My belly stings

Today is
Today is
Today is
The greatest day

I want to turn you on
I want to turn you on
I want to turn you on
I want to turn you

Today is the greatest
Today is the greatest day
Today is the greatest day
That I have ever really known


Só e apenas uma das minhas músicas preferidas! ROCK ON!